BBF MATO GROSSO

Justiça Brasileira

 Qual a diferença entre PJe e Juízo 100% Digital?


A oferta de serviços totalmente on-line, que facilita a vida do cidadão e o aproxima cada vez mais da Justiça, é realidade no Poder Judiciário de Mato Grosso. O Processo Judicial Eletrônico (PJe) está presente em 100% das comarcas do Estado e o Juízo 100% Digital já está em implementado em mais de 100 unidades judiciárias como uma ferramenta que traz a comodidade e segurança para todos que buscam os serviços da Justiça. Mas você sabe a diferença entre PJe e Juízo 100% Digital?

Processo Judicial Eletrônico (PJe)

É a forma eletrônica do processo, ou seja, ele está em ambiente virtual. O Juízo 100% digital é uma forma de atuação, onde todos os procedimentos de um processo tramitam pela internet, ou seja, tudo é feito de forma virtual, sem precisar sair de casa ou do escritório, inclusive entrar em contato com servidores e magistrados.

Juízo 100% Digital

Para entrar nessa modalidade é necessário fazer a adesão a esta opção quando da distribuição da ação e com a concordância da outra parte. A partir daí todas as movimentações processuais como intimações e audiências, e atos extraprocessuais, como o atendimento às partes e aos advogados são realizadas de forma remota. Em Mato Grosso a modalidade foi inicialmente implantada na forma de projeto piloto, em 13 unidades jurisdicionais.

Neste ano de 2021, o Juízo 100% Digital foi ampliado para 89 unidades do Primeiro Grau de Jurisdição incorporando as melhorias identificadas ao longo da execução do projeto piloto.


Tchau papel!

De acordo com a presidente do TJMT, Maria Helena Póvoas, o fim total do papel em Mato Grosso está próximo graças ao intenso trabalho de virtualização de todo ao acervo físico. 

No Segundo Grau praticamente não há mais nenhum processo em papel e seguimos para este objetivo na Primeira Instância. Já foram digitalizados e migrados para o PJe quase 340 mil processos físicos e o esforço concentrado é para migrar os pouco mais de 48 mil processos no PJe para que tenhamos a totalidade do acervo virtual”. (Maria Helena Póvoas, presidente do TJMT)

De acordo com a magistrada, esse caminho é mais um passo para a expansão do Juízo 100% Digital. “Antes nós tínhamos apenas o processo eletrônico e agora temos os procedimentos inteiramente virtuais que têm facilitado a vida dos operadores e operadoras do Direito e daquele cidadão da ponta, no interior, que precisa de um serviço seguro, célere e eficiente”, afirma a presidente.

(com Coordenadoria de Comunicação do TJMT)

Deixe uma resposta